Seminário Estadual de Ater apresenta estratégias de assistência técnica para os próximos anos

Encerrou, nesta sexta-feira (22), o Seminário Estadual de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), que definiu as estratégias e ações prioritárias para promover a universalização da Ater pública e de qualidade para os agricultores e as agricultoras familiares em todo o estado da Bahia, tendo em vista prioridades como a do fortalecimento da produção de base agroecológica. O evento, no formato virtual, integra a programação da 3ª Conferência Estadual de Ater na Agricultura Familiar e Reforma Agrária – 3ª CEATER: Construindo o Sistema Estadual de Ater, e teve a abertura, transmitida ao vivo, na última quarta-feira (20), pelo canal SDRBahia, no YouTube.


O seminário contou com a participação de representantes de organizações do segmento da agricultura familiar, entre eles, federações, confederações, movimentos sociais, do poder público estadual e municipais, além de parlamentares, universidades e equipes técnicas, que atuam no serviço de Ater, entre outras.


A iniciativa foi da Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), vinculada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), em parceria com o Conselho Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável (CEDRS) e a Coordenação Estadual dos Territórios (CET).


O secretário estadual de Desenvolvimento Rural, Josias Gomes, destacou que a 3ª CEATER teve o propósito de buscar uma qualificação ainda maior da execução da Ater, mas também promover mais interação entre todos os envolvidos na execução da Ater na Bahia. Ele observou que tanto as conferências territoriais como as temáticas proporcionaram isso. Salientou também que o seminário conclui esse processo de diálogo.


“Dada a importância do tema e o caráter que é dado à extensão rural neste estado, que é modelo, eu não tenho como não reconhecer que é também pioneiro, na divulgação e socialização das ações de assistência técnica entre todos os estados brasileiros. Isso é resultado das ações de um Estado que se apropriou de mecanismos e políticas públicas adotadas a partir do ano de 2003, que resultaram em iniciativas como a criação da Superintendência da Agricultura Familiar (SUAF) e da SDR. Quanto mais nós fizermos para reconhecer a importância da extensão rural, no processo de consolidação da agricultura familiar, mas todos irão ganhar, especialmente os agricultores familiares”, afirmou Josias Gomes.


A secretária Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis, manifestou a alegria de fazer parte dessa atividade, que materializa a realização de um trabalho coletivo, que envolveu o conjunto das organizações sociais da agricultura familiar, dos movimentos do campo, da floresta, segmentos tradicionais, movendo esforços, ainda em um momento que se contabilizam os impactos trazidos pela pandemia: “Essa conferência se insere nesse cenário em que nós defendemos a democracia, em que buscamos aprimorar ações que garantam direitos e as políticas públicas e a política de assistência técnica é uma conquista dos movimentos sociais, em diálogo com os governos democráticos”.


Lanns Almeida, superintendente da Bahiater, falou que é fundamental essa parceria que existe entre as diversas unidades da SDR, e com as outras instituições de Governo e organizações parceiras, que juntas, trouxeram para esse seminário mais de 700 propostas feitas das 27 conferências territoriais e quatro temáticas: “Consolidar esse sistema de extensão rural é extremamente desafiador, mas, mesmo não sendo fácil fazer, no on-line ou presencial, esse é nosso modo de fazer, com transparência e participação, ouvindo os anseios dos agricultores e agricultoras, para continuar essa construção”.


Eleneide Alves, presidente da Coordenação Estadual dos Territórios (CET), parabenizou a equipe da Bahiater/SDR e todos os envolvidos na realização das diversas etapas da 3ª CEATER e pela parceria firmada com a CET e com o público que ela representa: “Sabemos da grande importância dessa 3ª conferência, que é um