Feira Territorial da AGENDHA mostrou a força da Agricultura Familiar no Território Itaparica

Cheia de cores e sabores, a Feira Territorial proporcionou uma pausa na correria do centro urbano de Paulo Afonso. Realizada no dia 19 de novembro pela AGENDHA e, contando com a parceria local da Prefeitura de Municipal e do SICOOB Coopere, o encontro entre produtores e produtoras foi celebrado em um único dia.



A Feira Territorial da Economia Solidária e Agricultura Familiar do Território Itaparica, aconteceu no Centro de Cultura Lindinalva Cabral, como parte do cronograma de Ação do Projeto Artessol - Articulação Territorial de Socioeconomia Solidária do Território de Itaparica, projeto executado em parceria com o Governo do Estado da Bahia, por meio da SETRE: Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte.


Foram disponibilizados, 13 barracas, um palco e uma estrutura de toldos, além de energia elétrica, equipamento de som e microfone, cobertura fotográfica e toda a logística para buscar, guardar e levar os produtos até a praça do Lindinalva Cabral. Cada organização recebeu os equipamentos de segurança, máscara, álcool em gel, protetor facial. Os produtos também foram sinalizados com adesivos personalizados e a identificação de cada barraca foi feita com o banner da associação.


O público que compareceu teve a oportunidade de conhecer e comercializar produtos agroecológicos, cultivados e criados pelos produtores e produtoras de quatro municípios, sendo, Paulo Afonso, Macururé, Abaré e Glória. As associações estão recebendo da AGENDHA a assistência técnica necessária para fortalecer o comércio de produtos da Agricultura Familiar e a Economia Solidária.


As feiras agroecológicas fortalecem e valorizam as práticas do mercado criativo, solidário, aberto e livre de uma cidade. São espaços de comércio milenar e tradicional, com capacidade para grande fluxo de mercadorias e tipos de serviços, que possibilitam a troca de conhecimento entre produtores/as e comunidade. O apoio às feiras e aos circuitos curtos de comercialização aparecem como tema principal dentre as políticas públicas municipais levantadas na pesquisa inédita realizada pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA). Esse estudo foi realizado em 531 municípios brasileiros e embasou as propostas da carta-compromisso "Por Políticas de Futuro", que foi entregue aos candidatos/as nas eleições deste ano.


Para Valda:

“essa economia criativa se faz necessária nestes novos tempos, buscando formar consumidores e fornecedores ainda mais conscientes, com a venda de produtos limpos, com valores agregados da agricultura familiar, com a consciência ecológica, socioprodutiva. Ela acrescenta que, é muito importante o que a SDR e a SETRE fazem, com as equipes de Ater, proporcionando um trabalho como o que será apresentado nesta Feira Territorial”.

COMPRE DE QUEM PRODUZ!

Foi o dia todo de circulação de pessoas – entre adultos e jovens - que pararam para conhecer os empreendimentos socioprodutivos, participantes do projeto, com a exposição de produtos da agricultura familiar, praticando excelentes preços, aliados à qualidade.