Disseminação de tecnologias auxilia processo de sustentabilidade hídrica no Semiárido

Publicado originalmente em: 02/01/2020 - 14:20

Considerando as características do bioma cuja maior característica é a pouca incidência de chuva, o Semiárido brasileiro tem no Rio São Francisco uma importante fonte de água. Mas o rio não chega a todas as localidades e por isso trabalhar a convivência sustentável com as peculiaridades dessa região é de fundamental importância para garantir a sobrevivência de famílias e comunidades inteiras. Esse trabalho é assumido, na maioria das vezes, por Organizações Não Governamentais (ONGs), já que o poder público não tem recursos suficientes e nem vontade política para fazê-lo.




A Assessoria e Gestão em Estudos da Natureza, Desenvolvimento Humano e Agroecologia (AGENDHA) é uma dessas entidades. Sediada na cidade de Paulo Afonso (BA), realiza um trabalho que visa o desenvolvimento sustentável através de ações socioambientais, ecofeministas e de incidência em políticas públicas. A AGENDHA trabalha junto às famílias agricultoras, povos originários e comunidades tradicionais com foco na agricultura familiar buscando uma melhor qualidade de vida nas condições de semiárido.


De acordo com o coordenador técnico da AGENDHA, Maurício Aroucha, todas as relações de convivência buscam a sustentabilidade, melhoria da qualidade vida e a viabilização socioeconômica. “A gente trabalha na perspectiva da ‘eco economia’ solidária circular e sempre buscando, através de um comércio justo,que as famílias possam aumentar sua fonte de renda vendendo seus produtos como o artesanato, produtos alimentares e todas as outras formas de expressão de produção para conviver com sustentabilidade”, afirmou.


Ainda segundo Aroucha, a economia circular solidária de mercado justo objetiva a valorização dos produtos dos biomas. “Estamos sempre voltados para a manutenção da floresta em pé e entendemos a conceituação de que a Caatinga também é uma floresta. Então tomamos o cuidado de fazer tudo com sustentabilidade porque não interessa ganhar um pouco de dinheiro a mais e depois não tem mais como manter a base para produção”, destacou lembrando ainda que para isso, um trabalho importante é feito para coleta e armazenamento da melhor maneira possível das águas de chuva. “Isso é determinante para o cultivo além da condição de atendimento e segurança alimentar nutricional”.


Nesse sentido, o Programa Mais Água Para Todo executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR) tem o objetivo de implantar na região do Semiárido tecnologias sociais de captação e armazenamento de água, ampliando, principalmente, a oferta de água para produção agrícola e dessedentação animal para as famílias nas zonas rurais. Os recursos são oriundos dos governos Federal e Estadual. Essas tecnologias acabam por aumentar a possibilidade de produzir um pouco mais e por mais tempo a cada ano, fortalecendo a agricultura familiar.



As tecnologias mais utilizadas são cisternas tipo calçadão, além da construção de barragens subterrâneas e outras formas de acumulação de água como o Tanque de Pedra.


“Esse empenho de facilitar e contribuir através da assessoria e apoio tem garantido o acesso a tecnologias sociais, um trabalho contínuo realizado há muitos anos resultando em mais de um milhão de obras que hoje beneficiam famílias que sempre estiveram isoladas do acesso a políticas públicas”, afirmou Aroucha.

Essa matéria foi publicada originalmente pela Assessoria de Comunicação CBHSF: Expresso Comunicação e Mobilização Social *Texto: Juciana Cavalcante *Foto: Acervo Agendha

0 visualização

Contatos

AGENDHA

Rua Califórnia, Quadra C, nº 12. 
Bairro Amaury Alves de Menezes
Paulo Afonso/BA
CEP: 48.605 - 146

Telefone: (75) 3281 - 5370

E-mail: agendha@agendha.org

Fale Conosco