ATER para mulheres rurais garante o acesso a outras políticas públicas a agricultura familiar

A agricultora Maria Leonor Dias Cerqueira Rocha, da comunidade de Vargem da Colher, município de Pindaí, localizado no Território de Identidade Sertão Produtivo, é uma das mulheres rurais atendidas pelo serviço de assistência técnica e extensão rural (Ater) do Governo do Estado.

Divulgação SDR

A agricultora ainda não havia acessado nenhuma política pública para a agricultura familiar. Ela conta as principais conquistas que já obteve depois que começou a ser atendida pela Ater Mulher: “Tem sido muito bom. Eu consegui tirar a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (DAP/Pronaf), daí consegui fazer um projeto do Pronaf”. Ela diz que, com o recurso do Pronaf, conseguiu construir uma caixa d’água de 20 mil litros, implantar uma área cercada para pasto, e outra para área para a plantação, irrigada por gotejamento, de hortaliças, além de ampliar a cultura de milho feijão, alho e cebola. Também realizou a inscrição para o programa Garantia-Safra.


O ATER Mulher é uma ação coordenada pela Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater), vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), executada no Território de Identidade Sertão Produtivo, pela Assessoria Técnica e Educacional para o Desenvolvimento da Agricultura Familiar (Cootraf). A Ater para mulheres rurais visa a promoção da autonomia das mulheres, sobretudo com a geração de renda dentro das Unidades Produtivas Familiares, além da melhoria e o aumento da produção, valorização e reconhecimento do trabalho das mulheres e do acesso a políticas públicas, bem como o empoderamento feminino.


A coordenadora do ATER Mulher na Cootraf, Flaviane Leite Araújo, destaca como a agricultora Maria Leonor é atuante nas reuniões do ATER Mulher realizadas na comunidade. Ela salienta que a agricultora vem relatando como essa ação tem contribuído para o seu crescimento, expressando sua alegria em poder estar participando, e em tão pouco tempo ter obtido estes resultados. Flaviane lembra ainda que a propriedade de Maria Leonor possui uma diversidade de culturas e, além de dividir o tempo com o trabalho na produção, ela ainda trabalha com costura.


Publicado originalmente por: SDR em:



2 visualizações0 comentário