Ações solidárias e alternativas para garantir renda são estratégias usadas por famílias agricultoras

A ameaça da pandemia da Covid-19 despertou a criatividade para a geração de renda e alimentou o espírito de solidariedade das pessoas. Prova disso são algumas iniciativas como a do jovem Fabrício Yahasis, que mora na zona rural de Queimadas, a 300 km da capital baiana. Lá, além de orientar a sua e outras comunidades próximas sobre a prevenção ao vírus, ele iniciou uma campanha de arrecadação de alimentos, roupas e produtos de limpeza para ajudar famílias carentes rurais que ficaram sem alternativa de renda.


Fabrício é um dos mais de 100 jovens Agentes Comunitários Rurais (ACRs) que atuam no Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), por meio do acordo de empréstimo firmado entre o Governo do Estado e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).


“Neste momento de pandemia, a minha iniciativa como ACR é informar e desenvolver atividades que pudessem trazer um pouco mais de conforto para as pessoas da comunidade. Utilizo o grupo de Whatsapp para diariamente passar informações sobre o Coronavírus, o auxílio emergencial, a isenção de contas de água e luz. Desenvolvi, com três grupos de jovens de Cancelas, Várzea do Curral e Cachoeirinha, a campanha de arrecadação de roupas, materiais de limpeza e alimentos para doar às famílias carentes da região”, explica o jovem.

A falta de máscara na cidade fez com que ele incentivasse costureiras das comunidades rurais que ele acompanha a confeccionar máscaras de tecido para serem comercializadas a preços populares (R$ 3,00). “É neste momento que a gente entende que as pessoas precisam ficar mais unidas, mesmo cada um na sua casa. Por conta do coronavírus, muitas famílias deixaram de produzir para vender na cidade, não saem mais para trabalhar em outros lugares e tudo isso pesou no orçamento. Estas ações vêm para ajudar, por um momento, e espero que possam despertar em outras pessoas a vontade maior de estar ajudando ao próximo”, afirmou Fabrício.


Em Jacobina, no Território de Identidade Piemonte da Diamantina, outra ACR tem desenvolvido um trabalho solidário. Adilânia Santana Ferreira iniciou a campanha "Doe um quilo de alimento e sacie a fome do próximo" com o objetivo de ajudar famílias que estão em situação de extrema pobreza e com renda escassa, principalmente com as medidas de isolamento social adotadas para conter a pandemia.


Partindo para o norte do Estado, no Território de Identidade Sertão do São Francisco, mais precisamente no município de Juazeiro, algumas artesãs das comunidades de Angico, Curral Velho, Malhada da Areia e Juramento II se mobilizaram para confeccionar máscaras de tecidos. O equipamento de segurança será doado para as pessoas que vivem nestas comunidades rurais, e estão no grupo de risco de contaminação da Covid19. A estimativa é que o grupo de interesse do artesanato confeccione 500 máscaras para distribuição gratuita.

Edital do Governo

Entre os 603 empreendimentos habilitados pelo Governo do Estado para fabricação de máscaras artesanais de proteção facial, pelo menos, 03 associações estão sendo acompanhadas diretamente pelo Pró-Semiárido. São elas, a Associação de Desenvolvimento Alternativo Rural Comunitário-ADARC, no município de Antônio Gonçalves, a Associação Cultural e Artística de Radiodifusão Comunitária Sertaneja FM, em Juazeiro, e a Central das Associações da Agricultura Familiar do Território do Piemonte Norte do Itapicuru, em Senhor do Bonfim.


Esses grupos estarão à disposição para ofertar o Equipamento de Proteção Individual (EPI) para as Prefeituras Municipais, Consórcios Públicos e para organizadores e promotores locais e regionais de campanhas de uso das máscaras, como meio efetivo de contenção da Covid-19, como têm orientado os diversos órgãos de controle da pandemia.


Renda

Com o intuito de buscar soluções para comercializar seus produtos neste período de isolamento social, devido à ameaça da pandemia mundial da Covid19, um grupo de agricultores e agricultoras do assentamento de reforma agrária Serra Verde, no município de Senhor do Bonfim, Território de Identidade Piemonte Norte do Itapicuru, iniciou um delivery  para garantir as vendas das hortaliças, verduras e frutas.

A ideia partiu da técnica que acompanha o grupo, Daniela Nogueira Lima. Ela trabalha no Instituto de Desenvolvimento Social e Agrário do Semiárido (Idesa), uma das organizações parceiras do Pró-Semiárido, que executa as ações de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) do projeto no território.  Antes deste período, as famílias comercializavam seus produtos, aos sábados, na feira do município.


Esta matéria foi publicada pela SDR Governo da Bahia em 17/04/2020.

1 visualização