1ª Feira Nordestina de Agricultura Familiar

As contribuições da agricultura familiar nas mudanças climáticas foi o tema debatido pelo PRS Caatinga na 1ª Feira Nordestina de Agricultura Familiar. O Projeto Rural Sustentável Caatinga promoveu um rico debate sobre “Contribuições da Agricultura Familiar para Reduzir Efeitos das Mudanças Climáticas” como parte da programação da 1ª Feira Nordestina de Agricultura Familiar e Economia Sustentável, em Natal, Rio Grande do Norte.

Mesa redonda “Contribuições da Agricultura Familiar para Reduzir Efeitos das Mudanças Climáticas” – Foto João Vital

O evento, organizado pelo Consórcio Nordeste, é considerado um marco para agricultura familiar, por reunir produtores e produtoras de toda a região, a acadêmica e o poder público e possibilitar a troca de saberes e sabores entre diversos agentes sociais.


A mesa redonda promovida pelo PRS Caatinga contou com representantes de vários segmentos ligados à agricultura familiar, que compartilharam suas visões sobre a contribuição desse segmento para a questão climática. O painel trouxe perspectivas diversas e apresentou o ponto de vista de uma professora, um produtor rural, das comunidades tradicionais quilombolas e indígenas, cooperativas e profissionais de assistência técnica e extensão rural (ATER). A abertura e mediação foram conduzidas pelo coordenador regional do PRS Caatinga, Francisco Campello.


A primeira fala ficou a cargo do diretor do PRS Caatinga, Pedro Leitão, que trouxe informações sobre o potencial da agricultura familiar do Nordeste, ainda desconhecido por muitas pessoas. “Os números são expressivos. Uma grande parte das instituições de agricultura familiar no Brasil estão no Nordeste. “Isso significa que esse setor é relevante – fora dos pólos de exportação, as grandes propriedades e os grandes latifúndios – se somadas à produção da agricultura de propriedades de pequeno porte”. E completa: “A agricultura familiar precisa ser valorizada. Ela tem potencial para contribuir com a agenda climáti